sexta-feira, maio 12, 2006

Simplesmente só...
Triste como olhos de cachorro...
Abandonado como uma azinheira num morro...
Solto... vazio... descrente de uma vida presente...
Ausente como a saudade após a despedida...
Perdido ao largo de uma vida...
Sou algo que ninguém vê...
Um livro que ninguém lê...
Empoeirado na prateleira do tempo...
Sou como uma escova de dentes em casa alheia...
Sempre prestes a despedir-me
e a partir.

6 comentários:

Cata disse...

só nunca estás, olha bem, que pelo menos um tomatito anda por perto!

Vanadis disse...

Era isso mesmo que eu ia a dizer :-p

Ih pá!! Animem-se, diacho!! A vida é bela, tem coisas bonitas, e há pior aí morenos altos que cheguem para todos, pá!!!! :-D

Agora a sério, é fácil falar, eu sei. Mas olhem. Eu já tive momentos muito maus e escuros na minha vida...uma escuridão de quase dez anos...e saí de lá, fechei portas, abri janelas, reaprendi a confiar nos outros e em mim...

Se eu consigo...pq não hão-de conseguir tb???? Abram essas janelas, já!!!!!!!!!!! Querem ver que tenho de organizar uma gincana cujo prémio principal é uma saída com vcs????????? :-D

Vanadis disse...

Ps- eu queria escrever "por aí"

poeta_poente disse...

poupemos a gincana e saímos um com o outro, ao menos já nos conhecemos ;)

Vanadis disse...

Ih pá, eu saia, na boa! Mas o meu coraçon já tem dono, há seis anos, :-). A não ser que o convite não fosse pa mim, ups!!! Lol!

O Meu Mundo disse...

ESte verso fez-me lembrar um de Florbela Espanca "EU" (gosto mt!)

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou