terça-feira, novembro 11, 2008

Feia

Feia és
no entanto,entretanto,
tens tanto de belo em ti.
Não és bonita.
És aflita.
Não andas,
corres na vida bonita.
És feia
porque morres
e nem te dás ao trabalho de ver
que me matas também e que me levas contigo.
És feia,
morte,
destino,
sorte.
És.
Sou quem perdeste.
Feia morreste em quem te amou.

8 comentários:

Afrodite disse...

Hmmm um poema poderoso :)!

Abreijos

Van disse...

afrodite, o poeta só escreve poemas poderosos :)))))

né poeta??? =))))))

Afrodite disse...

Estou a ver, estou a ver :)! Deve ter uma boa Musa inspiradora ;)!

Abreijinhos

Fadinha da Sombra disse...

Gostei do teu cantinho :)

Beijitos :)

Angel disse...

Gostei do teu pequeno mundo de exposições....tem alma!

Obrigado por me acompanhares.

Beijinhos docinhos

Van disse...

afroditem, tem, é a ines lua :))))

Van disse...

poeta, na te importas que a gente fale de ti à tua frente, pois não??? =D

poeta_poente disse...

Como um poente, observo silencioso e agradecido ;)