terça-feira, dezembro 04, 2007

Imensamente

Imensamente imenso este sentimento por ti,
como o céu,
como o mar,
como o frio desta pedra em que me sento,
e penso,
porque há-de ter fim?
Porque se sou eu todo o sentir
se todo ele me define?

Haja luz que me obrigue a acordar,
que me faça olhar
ao espelho e ver
que o jovem é um velho antes de tempo
que todo esse sentimento
nada vale para ti.

Hoje acordou enevoado o dia,
escondido, parece que sorria
e o desejo surgiu....
O velho que o tempo trouxe,
foi-se... levou-o a névoa.

Agora, sim... agora,
é o tempo da vitória e da glória e de uma interminável história,
porque agora amo,
sei o que amo,
e sei o que já não é amar.

Deixo para trás as derrotas,
as lágrimas,
as noites de mágoa...
os dias sombrios...
Porque o sorriso voltou
e sinto mais que nunca,
neste Inverno frio,
o calor do dia mais longo,
às quatro da tarde, na imensa planície,
em pleno estio.

5 comentários:

Vanadis disse...

ADOREI!!!!!!!!!!!!!!!! ;-)

O Meu Mundo disse...

Parecia eu que estava a ler um livro do genero: "poemas dos melhores poetas portugueses"! Divinal! Adorei!*

ana disse...

Amei!

Matchbox30 disse...

Será desta?

Vanadis disse...

Espero que sim!