sexta-feira, junho 29, 2007

todas as marés

Todas as marés avançam e recuam,
todas as ondas são incertas.
Aceitei-te assim, sem saber ao que ia
Amei-te assim, na noite escura e ao raiar do dia...

Contigo só conheci longas noites
de amor,
de paixão,
de solidão,
de dor.

Em ti encontrei todo o espectro dos sentimentos.
Em ti quis viver mil anos,
por ti quis morrer.

Mas agora, a peça está a chegar ao fim,
e o teatro que protagonizei em ti,
cujo argumento não li,
vai sair de cena,
sem aplausos...


Vou rasgar da minha pele o teu cheiro,
vou secar da minha alma as lágrimas
que turvam meus dias.

Hoje condenei à morte o meu amor por ti!

6 comentários:

Vanadis disse...

Eu aplaudo: clap clap!

Tainha disse...

Aplausos, aplausos.
Deixa pousar o cheiro e espalha-o no resto do mundo...;)!
Um beijo poeta!

O Meu Mundo disse...

N consigo dizer mais nada se não: DEMAIS!

Cata disse...

:-D não preciso deixar o meu comentário, pq já o conheces de cor eheh!
desculpa a ausência!

Matchbox30 disse...

Bravo! Bravo! Bis! bis!
Esmeraste-te!

Vanadis disse...

Lindo, como sempre. Não te cansas de ser tão elogioado??? PESSOAL, QUE TAL UMA VAQUINHA????