sexta-feira, maio 01, 2009

Dia

Acordei com uma descomunal dor de cabeça. Olho a rua e tudo está calmo. O feriado move-se na ruas tristes que nem o sol consegue alegrar.
O dia vem ter comigo à cama e diz-me para me levantar. Não quero. Não me apetece sair lá para fora.
Sei que, inevitavelmente, terei que lhe dar ouvidos, mas não agora. Agora estou comigo. A falar comigo, a ouvir-me, a pensar-me na totalidade e na multiplicidade que tenho dentro de mim.
A alma fala-me em soluços não sei se de emoção ou choro. Torna-se quase imperceptível ouvi-la, compreendê-la, aceitá-la na sua plenitude de alma que toca todos os cantos, mesmo os mais recônditos do meu ser.
Acaricio-a, ponho-a ao colo, e falo-lhe pausadamente. Faço-a ver que nem tudo na vida pode ser uma alternância entre a excitação e o desespero, que há muitos de pausa, de calma, de angústia controlada e que é nesses momentos que mostramos quem realmente somos, que é nesses momentos em que ela pode ganhar fôlego para voltar a ser ela própria.
Pára de chorar, abraça-me e envolve-se em mim.
Adoro a minha alma.
Levanto-me finalmente da cama, dou a mão ao dia, enfrento a cozinha e preparo um café.
Sento-me na varanda em frente ao mar. Hoje não há croissant. Nem pão de leite. Hoje só há um sorriso eterno porque, ao falar com a minha alma, ao acalmá-la, acalmo-me a mim e começo a ver o nevoeiro a dissipar-se. Por isso, hoje é um dia especial.
Há pouco na cama a tristeza era minha companheira, mas agora estou com a brisa do mar, e esta brisa leva-me onde eu quero estar.

5 comentários:

Sininho disse...

:} BOM DIA!

Yiskay disse...

um bonito texto...uma boa reflexão...

Eu Mesma! disse...

é impressão minha ou andas um pouco triste?

ou as palavras reflectem o que não vai na alma....?

Pétala disse...

Ontem estive assim, passei o dia a dar colo à minha alma... mas ela ainda está triste...

Vani disse...

Se eu desse ouvidos à minha, estava bem arranjada, estava...