sexta-feira, dezembro 05, 2008

Espelho

Em comunhão com o blog no qual fui convidado a participar

www.espelhosentido.blogspot.com

publico o meu novo poema.


O espelho em que me vejo
não me reflecte.
Não me conhece.
Não mostra as rugas
nem as dores.

Não sou eu,
é um Gray que envelhece
um olhar que esmorece
no retrato de uma vida em fuga.

7 comentários:

Sunshine disse...

Olá

Espero que o espelho não seja o reflexo do Retrato de Dorian Gray e que não tenhas feito nenhum pacto para que seja o teu reflexo a envelhecer.

Bonito e melancólico.

Obrigado pelo coment, eu sei que é Monsaraz, só que levada pela ida a Reguengos associo sempre o nome de um local ao outro.
Também gosto ao luar, só que na altura não tinha a máquina comigo.

Bjs, voltarei também

Equilibrista disse...

Lindo o poema!
Revejo-me em partes...
Muito bom mesmo!

Acho que vou continuar a ler... =)

Marca de Água disse...

ainda bem que escondes do espelho o que sentes ...pq o espelho é impiedoso...basta que só nos veja um assomo de lágrima e ficamos reféns...

Van disse...

Nã me fales em espelhos. Odeio espelhos. :-p

stériuéré disse...

Este espelho é um bocado fantasioso,não?
Adorei o teu belo poema. Continua.Beijos da sté

Safira disse...

Estava atrasada na escrita...
Demorei-me a ler-te, e gostei. Todos temos espelhos impiedosos. Eu tento não olhar para o meu.
BEijinhos

Tita disse...

Gosto dos teus poemas!

em que me vejo e revejo sem dilemas!

claros como a água!

beijinhos
;)