terça-feira, fevereiro 03, 2009

em meu peito...

Agoniza em meu peito um amor que não nasceu
Dormem em meus lábios as palavras que te não disse
Bamboleiam searas no vento que te levei
No ar que te não deixei
No fresco que breve se perdeu.

Nunca te contei o meu maior segredo.
O que guardei e fingi não ver,
que arde, queima, faz doer.
Que me traz memórias, sonhos perdidos,
Castelos caídos
Fábulas, lendas e histórias.
Nunca conseguiste ver que, guardado bem no fundo
do bolso deste casaco, se esconde um mundo
E também eu tinha medo.

Temo a noite agora,
aquela que outrora me fazia sonhar.
Escondo-me de novo no canto,
sinto de novo o mesmo frio.
O rosto não disfarça o regresso do sorriso vazio.

A felicidade tal como o rio,
acaba por desaguar e se diluir.

2 comentários:

manzas disse...

Descobri…
Um banco do jardim
Que me segredou
Em poesia…
Aromas que aqui
Encontrou
De paz
E de harmonia...

É sempre bom estar aqui...

O eterno abraço…

-Manzas-

Lize disse...

Força, coragem, e não desistas... :)

"A felicidade tal como o rio,
acaba por desaguar e se diluir."

E dilui-se com o mar... que forma algo maior, talvez melhor... Mistura-se o doce e o salgado, e é isso que forma o mar...


Beijocas... :)