domingo, fevereiro 01, 2009

Encantamento vs Paixão vs Amor

O que é o encantamento? O que é a paixão?
As relações amorosas são sem dúvida as relações mais complexas que experimentamos durante a vida. Os sentimentos são, por si só, uma confusão em que desejamos andar sempre mergulhados.
Alegoricamente acho que tudo se pode ver como um exercício de natação. Quando estamos à beira da piscina, na puberdade, não sabemos bem o que vamos encontrar ao nos relacionarmos. Queremos entrar mas temos medo. E se nos afogarmos? E se a água estiver fria demais e não conseguirmos aguentar e tivermos que sair à pressa? É a altura das dúvidas sem qualquer tipo de certeza.
Depois, quando já experimentámos a água, não paramos de saltar. O pós adolescência. É experimentar novas formas de mergulho, ver quanto tempo aguentamos a boiar, quanto tempo conseguimos suster a respiração debaixo de água, é a altura das relações inconsequentes. Fazemos porque queremos, nada mais interessa.
Quando chegamos à fase adulta, não queremos mais exercícios de loucura. Queremos nadar. Entrar vagarosamente na piscina, nadar, desfrutar a temperatura da água, sentir a sua envolvência, a forma como chega a todos os pontos do nosso corpo, o prazer ao fim ao cabo.
Muitos de nós, ficamo-nos por aqui. E assim nadamos toda a vida. Muitos acabam por se afogar e mais não fazem que ficar a boiar até que alguém os venha retirar da letargia. Muitos nem querem sair da letargia.
Há, no entanto, quem, esteja a nadar ou à beira da piscina e comece a olhar para as pranchas de saltos. O desafio é um motor muito forte do ser humano. Há quem não resista e arrisque e há quem se fique pela intenção. O risco é sempre grande, nunca sabemos se daremos um bom salto, mas se assim acontecer, quem ousou experimenta emoções e sensações que aos outros pouco ou nada dizem.
Ora, e como o texto já vai longo e amanhã é dia de trabalho, chegamos então ao cerne da questão, o encantamento vs paixão vs amor.
Quem nunca se atrever a subir à prancha, nunca passará do encantamento. É bom para achocalhar o dia-a-dia mas totalmente inconsequente em termos de felicidade.
Quem ousa subir à prancha e saltar, conhecerá a paixão, o fogo dos sentidos. É sem dúvida o sentimento que mais vale a pena. O momento da subida à prancha, a antecipação do salto, o mergulhar no vazio, a descida vertiginosa.
O mais difícil e para muitos inatingível é o amor. É o salto perfeito, a pirueta completa, o mergulho olímpico. Nasce no encantamento, floresce na paixão e toma raízes. É o nadar envolto na água da vida depois do salto sublime. É o não querer sair nunca da piscina.

Por isso meus lindos e lindas leitore(a)s. Em que fase de relacionamento amoroso estão agora?
Encantamento vs paixão vs amor. Ou apenas numa letargia constantemente irritante? Se sim, como sair dela? Quererão mesmo sair?
Mudar é algo que custa mais que qualquer outra coisa nesta vida. É preciso força, vontade, sentido de oportunidade, perseverança e, sem dúvida alguma sorte. Mas é tão bom mudar…. É sem dúvida aquela estrada cheia de buracos que nos leva a um sítio lindo, único, onde podemos ver o horizonte de uma forma completamente diferente.

Boa semana a todo(a)s

13 comentários:

Sayuri disse...

Poeta, natação é algo que vou dominando :)
Curiosamente deixei de saltar, porque houve há uns anos, um salto mal dado que me deixou a coluna num 8, e mesmo já tendo sentido o prazer de um salto bem dado, prefiro não o fazer, porque a dor é insuportável. Gosto mais de usar as escadas para me lançar dentro de água, até porque muitas vezes a água não está à temperatura que eu quero, e prefiro entrar aos poucos... :)

Van disse...

Bem, eu já saltei da prancha várias vezes ehehehe.

Amor, sem dúvida alguma. :)

Lita disse...

LOOOOL
Honestamente, acho que há espaço e momentos para qualquer um. Nenhum é melhor ou pior do que outro, depende muito do tipo de banho que queremos, ou estamos dispostos a dar!!! ;)

Estrela Cadente disse...

É tão bom saltar da prancha...vale cada bocadinho...
Adorei este post!
Boa semana.Beijos.

Andy disse...

Fez-me pensar, gostei da analogia e mto das tuas palavras...
de facto a minha realidade é que as pranchas nunca me seduziram, assusta-me a altura e sinto que qto mais alta é a prancha mais alto será o salto e por sua vez o mergulho se não for bem dado terá mazelas proporcionais à referida queda...prefiro então, aproximar-me da piscina com calma, ver o que se passa por ali, de certa forma estudá-la se por fim gostar das primeiras sensações mergulho de corpo inteiro. Terei perdido e perco alguma coisa ou mto com tanta cautela mas não consigo fazê-lo de outra maneira... haverá sempre mais cedo ou mais tarde a parte da letargia mas ainda assim oxalá que haja sempre qualquer coisa que nos faça repensar e ponderar manter-mo-nos na piscina, qto mais não seja, qdo vamos a baixo e depois regressamos à tona, ver algo que haviamos esquecido ou posto de lado e até sentirmos que será importante...claro que a saida da piscina nunca é posta de lado até porque não poderia ser de outra maneira mas confesso que não é fácil. Ainda acrescento que haverá sempre a possibilidade de um encantamento por outras piscinas... é por isso que estamos vivos pq nos encantamos, nos relacionamos, enfim...às vezes tb me questiono haverá assim tantas diferenças entre piscinas ou será a forma como nadamos que fará a diferença?
Um gd beijinho.
:)

Bruno Fehr disse...

Vs o amor, o encantamento e paixão, são zero, nada, pois o amor é tudo. Mas à falta de amor a paixão é "the next best thing", o encantamento? Isso é algo banal e comum demais para merecer a nossa atenção. O encantamento é tanto material como intelectual mas nunca sentimental.

Miepeee disse...

Agua e um dos elementos que mais gosto, como tal ja fiz de tudo com execepcao de natacao sincronizada. Mesmo apos alguns saltos que terminaram em splashes desastrosos, continuo a achar que vale a pena encher os pulmoes de ar e mergulhar, depois de sentir a agua no corpo duas coisas podem acontecer:
1- ai que a agua esta fria, ok nada de panico, o corpo habitua-se precisa de tempo, boiamos um pouco, adaptamo-nos e damos as primeiras bracadas.
2- a agua esta mesmo no ponto, aqui nao nos vamos precipitar e comecar a esbracejar como se nao houvesse amanha, devemos aproveitar o calor que nos envolve a pele e faze-lo durar, sem medo que arrefeca porque nao e agua que arrefece mas quem nela nada, se as bracadas forem continuas e ritmadas nao se sente frio e o prazer de ficar so aumenta.

Para terminar so me falta mesmo responder a pergunta...em que fase estou : Pronta a mergulhar sem acrobacias e nadar ate ao fim da minha vida.

Ai Poeta desculpa a extensao do comentario, para a proxima ja nao dou uma seca tao grande :)

Beijinho.

Afrodite disse...

Eu nem numa nem noutra...estou morta por dentro! Não é bonito de se dizer mas não sinto! :) é-me já indiferente também...acho que já nem quero sentir!

Abreijinhos....ah mas se podesse escolher, escolheria dois em um, paixão e amor, sem dúvida! Been there done that...ou se sente no todo...em pleno...ou não vale a pena sentir! Às mijinhas não tem piada!

Soviética disse...

O encantamento tem piada durante uns dias, a paixão durante uns meses, e o amor, que não é eterno, tem piada sempre, desde que junto com a paixão.
Definitivamente eu amo e estou apaixonada.
Bad thing..porque saltei da prancha dos 6 metros e não sei nada lá muito bem...

poeta_poente disse...

SAYURI

Para mim, quanto mais depressa melhor, depois logo se vê.

VAN

Tu já fizeste um record olimpico, agora é só keep on swimming :D

LITA

Good point... ou o banho que os nossos traumas, medos e receios nos deixam dar não?! :)

ESTRELA CADENTE

Independentemente dos maus mergulhos, vale mesmo a pena :)

ANDY

Sinceramente acho o teu comentário melhor que o post em si. Tens toda a razão quando dizes que há sempre outras piscinas.
Mas acho que na questão da letargia, devemos primeiro sair por nós próprios da piscina em que estamos, e só depois ver as outras piscinas, que por vezes estão bem mais perto do que pensamos. :)

BRUNO

Eu por acaso acho que o encantamento tem muito de sentimental também. E o amor, sem duvida será o melhor, mas à falta dele... apaixonemo-nos...

MIEPEEE

Mais um ponto de vista excelente... no fundo acaba sempre por ser importante a confiança que a piscina em que mergulhamos nos inspira não é?
Mergulha, vale tanto a pena não é? :)

AFRODITE

Eu tenho cá para mim que não estás morta... estás apenas sentada no banco rente a uma piscina, á espera que a água se torne apetecível :)

Isabel disse...

Segundo reza a lenda o meu elemento é fogo por isso, apesar de ter gostado da alegoria, eu e a água temos uma relação um tanto ao quanto… Enfim, seguindo a mesma, estou a sair de uma piscina pelas escadas, depois de lá estar mergulhada algum tempo acho frio cá fora e tenho de me reabituar… Pegando numa outra alegoria, a adaptação à luz tem que ser progressiva senão pode ferir a vista. No entanto, já começo a sentir os raios de sol e aquela espreguiçadeira está com um ar apetecível...

Beijinho e boa semana

XR disse...

Depois de anos a boiar em águas paradas saí enregelada, querendo apenas um roupão quentinho e chão seco.
Os passos desviaram-se a caminho do balneário e atrás de um tabique o que pensei ser um tanquinho era afinal uma piscina olímpica. Mergulhei de cabeça e ainda não voltei à tona ...

Mag disse...

Este post já tem uns diazinhos mas só o descobri agora. Ainda bem que o fiz; achei engraçado, acabei de escrever algo que me parece ter uma filosofia comum por detrás das palavras.
Acho que continuo à procura do salto perfeito, sublime.
Já agora... e tu?