terça-feira, abril 28, 2009

Laço

O laço que ata,
os dedos nos cabelo,
as almas em novelos
imperceptíveis de saber.

O laço que faço,
com que me prendo na cama,
me ato na chama
da fogueira que me arde.

O traço rasga o céu,
o sol aquece a tarde curta,
a nuvem chove em mim e
sopra um vento do deserto ao anoitecer.
A história que se vai escrevendo,
é numa língua que só eu entendo.

4 comentários:

Sininho disse...

um registo a meu ver diferente dos outros.. três tempos: 2 iguais , sugerindo companhia, a outra solidao!

diferente mas interessante

:*

Eu Mesma! disse...

Os teus textos são mesmo muito bonitos!

Sayuri disse...

Fruto do livro que andas a ler?
(explico mais tarde)

Vani disse...

Pois, há linguas que só nós entendemos, e mais ninguém. E está-se tão só nesse país de linguas que só nós entendemos...